Há vários anos que o setor dos moldes marca presença na indústria médica. E, apesar de muitas vezes negligenciado, este tem vindo a desempenhar um papel crucial, mesmo em plena pandemia. A produção de componentes para esta área traz muitos desafios, exigindo, por isso, atenção redobrada. No fim de contas, as peças produzidas podem salvar vidas.

A injeção de moldes para a produção de peças é um dos métodos mais usados na indústria médica, seja para a produção de máquinas, seringas, instrumentos cirúrgicos, tubos, componentes implantáveis, entre outros. No entanto, há vários itens que não podem ser reutilizados, o que obriga a uma produção contínua de novas unidades.

Durante a produção de um molde, este passa por vários processos para garantir as dimensões corretas e a melhor funcionalidade. Posteriormente, requere ainda um rigoroso controlo de qualidade, para assegurar uma precisão excecional.

Tal como na indústria automóvel, a médica recorre aos moldes para diminuir o peso dos produtos, fabricando-os em plástico, o que facilita o seu manuseamento por parte dos profissionais de saúde.

Apesar de a produção de peças para a medicina obedecer a determinados requisitos, a lista de materiais que os preenche é significativa, permitindo também a escolha da flexibilidade, durabilidade ou a cor do material.

As peças produzidas para o setor médico devem ser resistentes a contaminantes. Esta resistência oferece a possibilidade de esterilizar os objetos, quando reutilizáveis. A injeção de moldes para dispositivos médicos requer cuidados extremos, pois podem ser decisivos na vida de muitos pacientes. Como tal, existem alguns fatores a ter em conta.

Cada material possui características distintas, sendo que alguns são melhores que outros, dependendo da sua função. A escolha dos materiais obriga a um planeamento prévio para se obter os melhores resultados.

A capacidade de esterilização dos objetos usados na medicina é importante. Na escolha do material, deve estudar-se as suas propriedades, para se saber se é o mais adequado.

Muitos objetos usados na medicina estão constantemente sob pressão, expostos a altas temperaturas, líquidos corrosivos e vibrações. A durabilidade e adaptabilidade a ambientes extremos são fatores que não podem ser descurados aquando da escolha dos materiais. Por tudo isto, a produção de equipamentos médicos exige a máxima precisão, pois podem ser decisivos em momentos críticos.

Há mais de 30 anos no setor dos moldes, a Rectimold conta com uma equipa multidisciplinar e experiente, o que faz com que, desde sempre, se destacasse das demais. Contacte-nos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *